sábado, 5 de novembro de 2011

Metamorfoses




Onde esta toda aquela inspiração para escrever cartas de amor?
Hoje eu só sei falar sobre dor.
Creio que porque escrevo apenas aquilo que sinto.
Neste caso, agora começo uma nova fase:
De escrever sobre felicidade.

Pedras e flores




Se alguém me dissesse que tudo o que ocorreu até aqui foi apenas 
para que eu sentisse o doce prazer de rir da sua cara, 
eu diria que nada teria valido mais a pena! ;D

Mas ainda bem que a vida é muito mais do que isso.

A vida é sempre uma festa, apenas ocorrem alguns momentos de tensão as vezes... 
Mas certas pessoas são como detritos, fadadas a ficarem para trás, 
sem que ninguém jamais volte a se recordar delas. 
Porque há muito em jogo, há beleza demais em torno de nós 
para perdermos tempo focando no que não tem valor, 
no que nunca passou de lixo, e agora, volta a seu devido lugar.

E se eu escolher não escolher?




Sabemos que uma escolha significa uma perda tanto quanto significa um ganho. Algumas vezes, porém, a escolha pode ser por sustentar um princípio, não sobrando-lhe mais nada, além do tal princípio. Ou essa coisa (in)útil chamada caráter, chamada "importar-se com o outro ainda que isso signifique ferrar com você mesmo". Auto-sacrifício é super digno.  Algumas vezes você precisa optar entre salvar a si mesmo ou salvar a um amigo, evitar uma lágrima entregando seus sorrisos. No fim sempre concluímos que essas escolhas, de algum modo, são necessárias. Não devemos permitir que o medo de errar nos paralise, devemos seguir vivendo todos os dias com a mesma alegria, ainda que nos faltem partes, ainda que nos falte alguém. O importante é ter em mente que ainda que você esteja triste, em algum lugar, alguém esta feliz. Porque você cedeu a ele sua própria alegria... através daquela escolha... que jamais lhe saiu da memória.

L'amour




Sinto falta de você. O problema é que ainda não sei quem você é...  Me pergunto se agirei da forma certa quando cruzar com você ocasionalmente em algum dos caminhos da vida... Ou se simplesmente olharei para o lado, distraidamente, e deixarei você ir embora para sempre, sem nunca ter feito parte da minha vida. Ou, pior ainda, temo que quando venhamos a nos cruzar eu esteja perdida dentro de mim de tal forma que meu orgulho e meu egoísmo, futilidades tipicamente humanas, não me permitam sentir a sua presença. Mas eu ainda tenho medo de algo muito pior: Que já tenhamos nos cruzado e por qualquer razão eu não tenha me dado conta e o tenha perdido para sempre.

Inconstante e borboleta




E mais uma vez estou de pé.
Pronta para arrancar o sorriso do rosto de todos aqueles que se deliciaram com a minha queda.

I don't know by as time
But the important is that I will go always get up me again.

I think...

Ego




E a verdade é que cedo ou tarde você vai se sentir a beira do abismo, dependendo de alguém para salvar sua vida. E esse alguém pode nunca chegar, porque talvez ele esteja distante demais, perdido em algum lugar dentro dele mesmo, enfrentando seu próprio abismo.

A verdade é que estamos morrendo, mais a cada instante. Porque nosso ego já não nos permite enxergar que não somos os únicos a ter problemas. E que talvez o abismo da pessoa de quem você mais precisa para conseguir se salvar, seja ainda maior que o seu.

Só seremos felizes quando - e se - conseguirmos enxergar o outro, além do perímetro de nossa existência.

A densa presença, de tua ausência




Algumas pessoas nos parecem tão importantes que até seu silêncio pode destruir nossas vidas.
Para sempre.


Mais uma vez ALONE




Tenho me matado um pouco todos os dias. Com doses maciças de uma vida sem rumo.

Se perder também é uma maneira de se encontrar




E eu sei, que me escondendo do mundo, como estou, eu nunca vou encontrar alguém de sorriso cálido e palavras simples, pra me segurar pela mão e me guiar pela vida... Provando-me que apesar de tudo a felicidade ainda é possível. Mas me esvaziei de sentido e de razão.


Por não querer ser porto eu preferi ser navio. 
Hoje sou apenas um barco, frágil, no meio de uma tempestade.


No me mires al revés




Acho que nunca precisei tanto de alguém... Procuro incansavelmente por esta pessoa, como se no fundo eu negasse, que na verdade a vejo todos os dias, fitando-me através do espelho. A questão é que seria muito mais fácil encontrar alguém que suportasse o peso da minha vida por mim... E me parece mais possível encontrar esse "ser mágico" do que encontrar alguma força naquela estranha que me fita no espelho.

Incertidumbre




Cansada dessa confusão mental. De viver em uma linha tênue entre eternos opostos. Partilhar de sentimentos tão avessos: Sinto-me como se minha vida inteira houvesse se despedaçado e pouco tempo depois uma alegria incomum me invade; Sinto-me completamente vazia por perder alguém que - de repente - me parecia extremamente valioso e pouco depois, revendo suas fotos e passando mentalmente as recordações, me dou conta de que o cara que idealizei não existe, porque o sujeito da foto é apenas um idiota. Mais um idiota... E aí é como se eu despertasse, de mais um de meus sonhos absurdos... Em que nada esta bom e o único caminho é morte. Depois que eu acordo, me sinto uma pessoa normal, centrada, responsável, totalmente capaz de comandar sua própria vida.

Mas por quanto tempo dessa vez?

Más del mismo






Odio la maldad que veo en nuestros ojos. En los tuyos cuando me intentas engañar, con cada palabra o acto sucio y mentiroso... Y en los míos cada vez que los miro al espejo... porque no veo en ellos nada distinto de lo que me muestran los tuyos.

Me extraño

 



Hace tanto que ni me reconozco más... A ustedes tampoco... La verdad es que morimos y después renacimos, como personas cambiadas a la vez. Nada ni nadie volverá a ser como antes... Jamás. Estamos condenados a la mediocridad, la futilidad.. Y todas estas maravillas que la madurez y la vida moderna nos han proporcionado.

Castillo de arena




Hoje eu só queria... Fechar os olhos e nunca ter existido.
Não sentir tanta repulsa ao olhar pra trás nem tanto medo ao olhar adiante.
Queria ser um pouquinho mais forte e um pouco menos mentirosa.
Não fingir o tempo todo ser a mulher corajosa e determinada que nunca fui. 
Ao menos por um momento, eu queria ter a liberdade... 
De mostrar minha verdadeira face, 
sem precisar ter medo de sair ainda mais ferida. 

Não é fácil ser um castelo de areia. Mas é ainda mais difícil não ser capaz de derrubá-lo.

sábado, 17 de setembro de 2011

Living and learning





Eu nunca quis ser tão fraca, nem tão dependente. O caso é que não da pra simplesmente fingir que eu não me importo, porque dentro de mim, eu ainda estarei sofrendo. As mentiras servem para os outros, não para nós mesmos. Duvido que alguém tenha sido capaz de enganar a si mesmo por muito tempo. E embora eu também saiba que amores vêm e vão - oh céus, como o sei bem... - ainda assim pareço me esquecer de tudo a cada nova história, a cada nova desilusão. Acho que porque cada pessoa é única, então a dor que se sente é por perder o que de especial àquela pessoa possui, porque ninguém te completa por inteiro, sempre falta uma parte da qual você tem que abrir mão. E quando aquela pessoa se vai, também há uma parte sua que ela leva com ela. Entre os tropeços da vida, a gente acaba sem partes, sem nada... Já que cada novo amor perdido leva consigo um pedaço importante de nós. E é isso o que dói. O pior é que a gente comete erros por medo de errar. O melhor, é que não tivéssemos medo de viver. Embora o arrependimento não mereça crédito, existem coisas que gostaríamos de não ter feito... Ou de ter feito de uma maneira diferente. A verdade é que perdemos pessoas que poderiam ter se tornado extremamente especiais em nossas vidas por bobagens, bobagens que para nós são irrelevantes, para o outro são inaceitáveis e futuramente se tornam a nossa maior angustia.

Eu sei que haverão outros, assim como eu sabia da última vez. Mas a verdade é que eu já não quero mais outros, eu queria esse. Esse com quem eu me identifiquei desde o primeiro instante, como se o conhecesse durante toda a minha vida... Esse, a quem eu não respeitei e magoei... Esse a quem eu perdi, por algo que não valia a pena.

domingo, 4 de setembro de 2011

A mi no me gusta.



No me gusta la noche, tampoco me gusta el día.
La verdad es que no me gusta la vida.
A las personas les parece raro lo que digo.
Es porque jamás han logrado percibir la diversidad humana.
Tampoco percibieron que no es mala esta diversidad, sino fundamental.
Existe más de una manera de vivir y de amar.
Existen aún muchas maneras de ser feliz.
Lo que necesita el hombre, es coprender, que ninguna manera es mejor que otra.
Sino.. Distinta.

Me gusta la vida, que he creado dentro de mí.. Lejos de todo lo malo.

sábado, 3 de setembro de 2011

Buscándome





Há vinte e um anos eu tenho me autoanalisado. Há vinte e um anos eu tenho tentando me entender, me conhecer. A única coisa que consegui durante todo esse tempo foi acumular angustias e frustrações. Sinto que me transformei em algum tipo de monstro. Tenho poucas expectativas em relação a minha vida, ao meu futuro. Creio que perdi totalmente a fé. Em Deus, no amor e nas pessoas, incluindo a mim mesma. E por essa minha condição cética e vazia eu tenho me sentido no direito de perseguir, de menosprezar. Pareço me esquecer de um dos princípios básico que em uma noite recente adotei para mim por toda a minha vida: Não causar o mal a ninguém nem a mim mesma. Bem, acho que isso varia de acordo com o conceito de “mal” que cada um possui. Eu não acho que seja ruim uma pessoa querer decidir seu próprio destino. Me sinto totalmente no direito de colocar um fim a minha vida quando me der na telha, o que eu não tenho direito é de causar sofrimento as pessoas que eu amo. E é só por essa merda que eu não exerço meu direito natural de me matar. Irônico, eu não acredito no amor, mas é justamente por amor que eu continuo viva. Como é estranha essa minha ambiguidade... Como eu sou estranha, hum. Eu tenho me sentido sozinha. Mas não é uma solidão de pessoas, é uma solidão de mim mesma. Por essa minha mania de me autoanalisar, eu tenho notado que busco uma cura inalcançável, tentando retornar as coisas do meu passado... Velhos amigos, musicas, hábitos. Um gosto, um som ou um cheiro que me faça relembrar um pouco do que um dia eu fui. E eu sempre termino me perdendo novamente no vazio infindável que eu mesma escavei dentro de mim. Me conheço tão bem e não tenho a menor ideia do que esta se passando comigo. Pela primeira vez eu me convenci de que simplesmente não tenho respostas. Não sei se isso é apenas uma fase ou se é permanente. Não sei se é depressão, frustração, egocentrismo ou TPM. Eu não sei, simplesmente. Tenho buscado algumas formas de amenizar minha situação, mas não tem surtido muito efeito. Me cansei do cigarro, do álcool e dos amigos. Me cansei dos meus livros, da música e de tudo o que sempre amei. Me cansei de mim mesma, do ar que respiro , de tudo o que toco e que vejo. Me cansei de viver. Cansei dos dias que a cada noite terminam só para amanhecerem exatamente iguais. E eu não tenho mais esperanças, de que um dia possa ser diferente. Mas nem tudo em mim é composto por desilusão. Meus doces e minhas canções trazem de volta lembranças de uma menina meiga e alegre, muito diferente dessa mulher amarga que gasta seu tempo escrevendo palavras vazias a respeito de um mundo que ela apenas renega. Essas lembrança não fazem com que eu me sinta em nada melhor ou esperançosa, mas como uma pessoa racional, que eu ainda sou, relembrando esses tempos penso que ainda pode haver solução para mim, já que eu nem sempre fui assim. Um dia eu sorri, chorei e amei, com toda a intensidade do meu ser. E eu sigo meus dias, todos iguais. Quem sabe em alguma manhã inóspita, o sol nasça de uma maneira diferente... Quem sabe nesta manhã renasça também a menina, que a tanto morreu dentro de mim. E quem sabe esta menina, consiga vencer todos os seus traumas e assassinar a mulher ferida que tomou o seu lugar. Não que eu acredite nisso ou que ainda tenha alguma esperança... É apenas uma ideia. Nunca se sabe...

Una eterna busqueda





A vida é ridícula e o ser humano patético. A incrível dependência que esses seres deploráveis nutrem uns pelos outros é totalmente lamentável. Eles buscam compreensão, mas não conseguem compreender a si mesmos... Não sabem o que querem de fato.
Alguns desperdiçam toda a sua vida com puritanismo, tentando todo o tempo ensinar aos outros os padrões para se alcançar a verdadeira felicidade: 1º Case-se. Você precisa ter alguém ao seu lado com quem contar, para não se sentir sozinho; dependência ( detalhe: A maior parte dos relacionamentos resulta em brigas ou indiferença total. Você provavelmente não vai notar isso porque os casais mentem, eles precisam manter as aparências. Mas na verdade a única razão pela qual permanecem juntos por, sei lá, cinquenta anos, é porque simplesmente se acostumaram um com o outro. Muitas vezes eles tem medo de terminar só e abandonados, são extremamente dependentes). 2º Tenha filhos. Você precisa de alguém para ensinar a te amar incondicionalmente e para assim permanecer ao seu lado caso ninguém mais queira estar. MAIS dependência e um pouco de egoísmo (detalhe: Uma boa parte dos pais, atualmente, não sabe criar os próprios filhos. Não sabe sequer porque teve filhos. Geralmente eles trabalham muito, chegam em casa tarde, não tem tempo para nada. As crianças são criadas por quaisquer pessoas, menos pelos próprios pais. Filhos, não tem sido tratados de maneira muito diferente de como se trata um animal de estimação).
Outros desperdiçam o seu tempo tentando se convencer de que não estão desperdiçando, porque vivem de uma maneira completamente alternativa, diferente dos puritanos. Sexo, drogas e Rock and roll. Eles não buscam um relacionamento sério e jamais terão filhos, porque são seres superiores e não precisam de ninguém. Mas no recôndito de seu ser eles se sentem sozinhos e choram em silencio por cada um de seus affairs que foi embora. São confusos. Não querem estar perto de uma pessoa com a mesma intensidade com que não querem estar longe dela. Não acreditam no amor. Não acreditam em si mesmos. Penso que essa segunda categoria seja apenas o produto das desilusões da primeira.
Sendo assim, você tem poucas opções... Duas na verdade: Ou fecha os olhos e aceita uma vida pré-fabricada, fingindo amor e satisfação, como todas as pessoas normais; ou se rebela contra o sistema e finge felicidade e satisfação como todas as pessoas sensatas.
Ou... Você pode tentar se compreender e seguir seus próprios instintos. Sem regras. Sem dependência. Mas parece que essa opção não está muito na moda ultimamente...

A vida é um mistério




Ele Gastou cada um de seus dias buscando por uma felicidade que por fim nunca encontrou de fato. E no fim das contas, a felicidade esteve perto dele todo esse tempo, ele não a percebeu porque estava ocupado demais priorizando outras coisa que hoje descobriu serem totalmente irrelevantes. Seu corpo carrega as marcas do tempo, os cabelos brancos, a pele já tão envelhecida, o cansaço... E agora deposita na balança os ganhos e perdas de toda uma vida. Obteve muito êxitos, mas a duras penas. O espelho da vida reflete um homem realizado, que lutou e sofreu muito por tudo o que conquistou. Um homem grande, mas um homem vazio. Ele abriu mão daquele momento mágico em que se percebe que a paixão se transformou em amor, em algo eterno. Perdeu a magia de encontrar no altar a mulher de sua vida, a alegria de ver o sorriso de seu primeiro filho. O primeiro passo, as primeiras palavras... Ele nunca teve nada, pensando que tinha tudo. Claro que os anos lhe trouxeram alguma sabedoria. Observando as outras pessoas, casais, familias... Ele finalmente compreende quais são os verdadeiros valores da vida. Coisas das quais não se pode abrir mão. Deitado em sua cama, ele fecha os olhos e espera. Que o amanhã seja um pouco melhor, talvez menos vazio ou menos solitário. É tudo o que pode esperar. Agora é tarde, muito tarde.

Believe in the love of your gods



Será exatamente quando você estiver diante do abismo, contemplando o negro lúgubre do oceano no qual pretende mergulhar para sempre a sua dor, que o sol ressurgirá...
FEELING INSIDE!

Soledad



A verdade é que a lua precisa do sol para continuar existindo.
Já o sol, independe totalmente dela...


Dias iguais


Sabia que só depois que você se foi é que o inverno começou de fato? É que você era o meu sol. Sem você meus dias são todos iguais: Um todo repleto de nada.

Echar de menos


Algumas pessoas parecem ter nascido predestinadas ao sofrimento.
Mas rogo aos deuses, espero e confio. Porque nada é por acaso. Meu coração esta perdido no oceano indico... Mas ao menos ainda tenho um coração. E espero... Que as ondas tragam de volta, o meu amor que foi embora.

Viver



Volta e meia eu redescubro o meu amor platônico pela vida.

Amar



Amar é um caminho sem volta.
É entregar-se a própria sorte e sentir-se feliz pelo mal feito.

Bruxa


O coração de uma bruxa, são ruínas de pedras...
De sentimentos intensos e palavras etéreas.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

We




Eu vou sentir muitas coisas.

Raiva. Angustia. Indiferença. Saudades.

Mas em algum momento eu vou entender que não é VOCÊ que eu desejo, mas ALGUÉM. E o mais importante: Para encontrar esse alguém, primeiro eu preciso me encontrar.

I’m sorry. Por minhas promessas fáceis e minhas palavras vazias.
Poço de incertezas. Castelo de areia. I’m
.

domingo, 26 de junho de 2011

Alone AGAIN


Thank you for help me regain my ability to feel.
But
I hate you because you made me like for you and then left me.
Thank you for turning good feelings, recently discovered, in absolute pain and loneliness.

sábado, 18 de junho de 2011

Letárgico


A felicidade se constrói. Em cada copo de bebida, em cada cigarro
acesso, por um momento de desespero. Ser feliz é andar meio
anestesiado, meio mutilado, não pensar.

Ajeno de si


Percebi que o ser humano é podre, não importa o quão profundo você tente procurar em alguém, não vai encontrar nada de bom lá dentro.
O homem é naturalmente mau. E mesmo quando tenta lutar contra o que lhe é inato acaba sempre falhando miseravelmente.
Não importa o quão simpática uma pessoa lhe pareça, ela ainda vai lhe quebrar em mil pedaços. BELIEVE!

Não, eu não quero confiar em você. E não vou, não dessa vez. É que já não me resta mais nenhum pedaço para ser arrancado, o que você vê é só uma fachada. Aqui dentro, já não há mais nada.

E por achar que sentia muita dor ela esvaziou-se por completo. E acabou descobrindo que não sentir acabava doendo sempre um pouco mais. Mas o tempo lhe mostrou que embora suas escolhas sejam destrutivas, elas são o que de melhor poderá encontrar na vida.

E se conformou com a única coisa que pode ter:

O vazio mórbido da solidão que lhe devora.

Fickle girl


Olhar perdido, pensamentos distantes, ela segue
Em seu rosto, doces enigmas, que nunca foram decifrados
Em sua pele, marcas profundas, de sentimentos errados
Feridas do passado impedem que ela se entregue.

Mentiras internalizadas, um mundo de ponta-cabeça, ela segue
Em sua mente, uma chuva de incertezas, se transforma em tempestade
Em seu peito, uma estranha sensação, de viver algo pela metade
Cedendo ao medo ela deixa que o tempo se encarregue

Uma nova queda, um novo amor para reerguê-la, ela segue
Em seus ouvidos, profundas palavras ilusórias de alguém
Em sua memória, o fundo do poço que ela conhece tão bem
Ela quer se revelar, mas simplesmente não consegue

Uma dose de afeição, um choque com a realidade, ela segue
Em seus sonhos, o desejo de ser feliz ao invés de triste
Em suas mãos, uma correnteza de sentimentos agora existe
Ela não é mais o reflexo negro de alguém que a dor persegue.

Amigos


Amigos... palavra arbitrária.
Na essência, vocês são todos iguais.
Me usam até enjoar, depois me quebram em mil pedaços.
E simplesmente vão embora.

The past has passed


Saudades de tudo o que eu deixei ir embora...
Mas certas coisas, nunca mudam.


E por achar que sentia muita dor, ela esvaziou-se por completo.
Então descobriu que não sentir, acabava doendo um pouco mais.

Mas certas coisas, nunca voltam.
Never more.

Be Happy


Olhando para trás, percebo que prometi tantas coisas a tantas pessoas...
Palavras vazias... Mas não tão vazias quanto o lugar de onde partiram: O poço de incerteza que outro dia descobri dentro de mim...

I’m sorry, people, dreams... death.

Por minhas palavras fáceis, por minhas fugas costumeiras... E por nunca, nem por um momento, deixar de ser exatamente quem eu sou.

FODA-SE todo mundo


Não compreendo essa mania ridícula que vocês têm de querer viver e, como se não bastasse, gostar disso.

Fodam-se seus conceitos mesquinhos sobre como suas vidinhas de merda lhes parecem maravilhosas “Apenas uma questão de ponto de vista”, foda-se o seu ponto de vista também, porra.

Vocês adoram me encher de conselhos, tanto que nem sei mais onde enfiar tanta merda... Me permitem um conselho meu dessa vez? Sentem-se, se acomodem e assistam... Enquanto eu dilacero o meu pulso lentamente... Isso os incomoda? Acho que não incomodaria tanto se vocês não tentassem o tempo todo me esconder debaixo do seu tapete.

Fodam-se, cada um de vocês.

Sombras


Eu tenho tentado lutar contra essa merda de depressão que tem voltado a me assombrar. Estou tentando mentir para mim mesma, dizer que esta tudo bem, quando não esta. Eu sinto ódio, muito ódio de mim mesma. Tenho momentos de uma alegria intensa e inexplicável, que sempre termina em algo ainda mais intenso e aterrador... Me pego muitas vezes imaginando uma forma pratica de me matar, desviando os passos de meus caminhos habituais para algum prédio de onde eu possa pular... Eu estou enlouquecendo.

Estou tentando fazer alguma coisa dessa minha vida inútil... Eu quero estar próxima de outras pessoas, gente que não me julga por
ser como sou. Eu preciso estar perto de vocês. E não sei bem o porquê. Não anseio mais por respostas, estou buscando compreende-los de outras formas. Acabamos nos compreendendo melhor quando conhecemos os problemas de outras pessoas, quando
percebemos que suas dores coincidem com as nossas... Que não somos tão anormais quanto pressupúnhamos. E consequentemente, compreendemos melhor os outros quando vivemos a mesma situação que eles vivem ou viveram. Eu não sei por que, mas preciso estar aqui... Não só para me manter viva, mas também para não surtar.
Aqui as coisas não parecem tão inúteis.

El desconocido


Às vezes eu penso que talvez estejamos certos.
Que a vida seja mesmo a merda de um joguinho patético e sem sentido. Talvez, "do outro lado", haja algum imbecil sentado, rindo de todos nós... E quando conseguirmos sair de toda essa loucura, talvez nos encontremos com as pessoas "normais" que tanto nos julgaram e que então vão baixar a cabeça e reconhecer.. Que tínhamos razão o tempo todo.

Witch


Todas nós já nascemos bruxas, mas logo aprendemos a temer tal denominação. E a repeli-la. Algumas de nós vivem toda uma vida, ou várias, sem conhecer sua própria magia. Ou negando-a... Outras, mais sensitivas, conseguem ouvir o chamado da deusa. E se libertam...

Vivemos em um mundo dominado pelo ódio masculino. Vivemos sob a jurisdição de um Deus que ama incondicionalmente aos seus filhos enquanto os entrega a dor, ao sofrimento. Vivemos na era da cobiça, da ganância, do egoísmo. Vivemos em um mundo de tal selvageria que fora capaz de distorcer uma imagem divina em nome de seus próprios interesses. Mas os deuses de todas as religiões são um só, em essência.

No mundo moderno é preciso sabedoria, para não se corromper. E força, para não perecer...

Abençoados sejam os que acreditam no amor de nossa deusa e que cultivam em suas almas toda a magia com que nasceram e que nunca deixarão morrer.

Fugas da vida


Vocês esperam que eu viva, mas simplesmente não me oferecem as condições apropriadas para isso. Do que são feitos afinal? De pura arrogância, mentiras internalizadas e hipocrisia? Sim, vocês são hipócritas. “Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Palavras não são difíceis de pronunciar, atribuir-lhes valor, é que é difícil. Mas, sobretudo, vocês são seres egoístas. É muito confortável me criticar por minhas fugas quando vocês, silenciosamente, escondem as suas próprias, por detrás de tanta mentira. Eu não sou egoísta por desejar a morte, não mais do que vocês, por me obrigarem a viver uma vida que vocês mesmos desprezam. E vocês, ah vocês... Nunca me amaram de verdade. Porque mentem tanto? Porque retiram de minhas mãos a mesma arma com que me matam lentamente? Será para que minha morte seja mais dolorosa? Ou para que eu tenha coragem e continue a viver essa vida de merda, enquanto vocês se matam, pelas minhas costas? Não me digam pra viver, se vocês mesmos não sabem como fazer isso.

Quando tudo se converte em escuridão




E ele me olhou nos olhos

- Você esta diferente – ele disse.

- Diferente como?

- Sei lá, nem quer fazer massagem em mim... – ridículo...

- Porque eu faria? Sabe muito bem que não faz mais sentido. – ele riu sinicamente.

E ele foi chegando lentamente ate que já não me restava mais nenhuma saída a não ser ceder a seus cruéis encantos, tudo aquilo que me mantinha tão próxima e ao mesmo tempo tão distante dele... E eu podia ver claramente, ele tinha razão o tempo todo, éramos mesmo muito diferentes.

- Porque você esta fazendo isso comigo? – eu perguntei com notável tom de frustração.

- Fazendo o que?

- Você gosta de mim? – ele silenciou-se por alguns instantes com a feição de quem estaria pensando “Será de que devo dizer?”

- Gosto.

- Então... Porque não me deixa em paz? Você sabe que nossos objetivos são completamente diferentes, o que um espera do outro... Sabe que o que eu espero de você, você jamais poderá me oferecer.

- Talvez eu possa, algum dia.

- Ah é? E qual é o nome desse dia? Nunca? – ele sorriu e me deu um longo e intenso beijo.

- Um dia do mês. – ele respondeu enquanto ria ainda mais.

Eu aproximei meu rosto do dele quase tocando seus lábios com os meus, mas sem tocá-los de fato.

- Porque você não consegue me deixar? – perguntei.

- E porque você não fica longe de mim? – ele contestou.

- Porque eu não consigo.

- Eu também não.

E inevitavelmente, nos beijamos.

Já havia muito tempo que tínhamos descoberto que não daríamos certo juntos, mas eu não sei por que algo mais forte do que nós mesmos nunca permitia que nos distanciássemos por muito tempo, mesmo que tentássemos incessavelmente.

Amávamos um ao outro, isso era fato. Mas por todas as misteriosas feridas que o tempo parecia ter causado a ele, ele não conseguia se envolver por muito tempo com alguém, independente da importância que a pessoa representasse em sua vida ou do quão difícil fosse arrancá-la dela. E foi assim comigo.

Em todas as vezes que ele me deixou “para sempre” eu sofri como quem sofre a dor da morte, mas com o tempo fui aprendendo que esse tal “para sempre” nunca duraria muito alem de um mês, mas ainda assim doía. O mais doloroso era não compreender porque eu continuava a amar um homem que permanecia o tempo todo tentando me arrancar de sua vida como tenta se livrar de uma praga avassaladora. Eu o queria para minha vida, mas ele não tinha o mesmo desejo.

Naquela noite ele me olhou com outros olhos mais uma vez, passados mais de quarenta dias durante os quais ele parecia nem sequer lembrar-se de minha existência, ele me olhou com ternura novamente, e eu fiquei em duvida se o que sentia naquele momento era mais raiva ou amor. Ele se aproximou e como era de se esperar, embora eu tenha tentado incansavelmente, não consegui resistir a seus cruéis encantos.

Quando tudo passou veio novamente a tempestade, em um turbilhão de arrependimentos – não poderia ter permitido que ele tocasse em mim novamente! Isso só faz prolongar a minha dor... -. Eu acho que ele jamais vai sair da minha vida, mas não penso nisso de uma forma positiva. Imagino um futuro onde me vejo casada e o vejo sempre por perto, como um amigo inocente me “aterrorizando” a cada distração do meu marido. E sempre me fazendo desistir das pessoas que – sabe-se lá porque – “resolvem” me amar, só para ficar com ele, que me deixa em seguida. E eu consigo imaginar ainda uma vida triste, uma existência vazia, em que eu nunca terei nada porque continuaria sempre querendo tê-lo... E abandonando tudo em prol desse objetivo insensato. Não é o que quero para mim.

Bom, às vezes me recordo de todas as coisas que já vivi ao lado dele, boas ou ruins, e percebo que embora eu tenha crescido tanto ao lado dele e embora ele tenha sido um dos grandes responsáveis por eu ter alcançado a maioria das coisas que tenho de mais importantes em minha vida atualmente, ainda assim, as recordações dolorosas sempre permanecem incrivelmente vivas em minha memória. De fato não existe outra saída a não ser apagá-lo totalmente da minha vida.

“Somos muito diferentes.”

“Jamais daríamos certo.”

“Se nos separarmos, embora não pareça, será muito melhor para nós dois.”

“Nós pensamos diferente.”

Ele tinha razão o tempo todo. Bem, agora que acredito nisso, como faço ele voltar a acreditar?

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Sand castle




Eu tenho o dom de afastar as pessoas.
Eu tenho o péssimo hábito de não amá-las o bastante...
Ou de amá-las demais.
Sou demasiadamente intensa e volátil. Características
que tem levado tudo o que prezo, como uma forte
correnteza ou um incêndio voraz.

Eu sou a merda de um castelo de areia.


E ninguém sabe o quanto eu quero derrubá-lo.


segunda-feira, 11 de abril de 2011

Castelo de areia



- Você não sabe o quanto dói.

- As lembranças?

- Não, o vazio.

Me sinto vazia de tudo o que um dia considerei como parte irrevogável de mim. Plena... De um abismo profundo, que me distancia do meu próprio eu, dessa pessoa ambígua, volátil e imprevisível que, em sua incansável busca por compreender as pessoas e o universo a sua volta, nunca foi capaz de compreender sequer a si mesma.

- Você sempre se considerou dona da verdade?

- Sim.

- E o que isso te rendeu?

- Solidão.

Saudades...



Saudades do meu cabelo, dos meus amigos, da minha simplicidade. Saudade de cada detalhe forte ou irrelevante que compunha aqueles tempos... Saudades do que não tenho mais, do que nunca mais será meu.

quinta-feira, 3 de março de 2011

Polissêmica



VIVER é tão esplêndido que não me interessam os problemas, não me importa essa fúria latente que pulsa dentro do meu peito... Pois eu possuo o dom de transformá-la em tudo o que eu desejar... E eu a converto em AMOR... Em amor incondicional, em alegria de estar vivo, em pura impulsividade, em sensação de liberdade e nessa loucura sublime que me invade com uma doçura amarga. Eu rio de mim mesma, debocho de minhas angustias e de minhas frustrações... Eu caminho sem rumo, falo sonzinha, sobre coisas sem sentido... Amo, me dano, rio, me embriago, caio, levanto, me perco... Só para me reencontrar nos mesmos braços, nos mesmos olhos, no mesmo sorriso... Nos mesmos beijos. Eu amo. Todos os dias, o mesmo homem... Do meu jeito torto, do MEU JEITO. Sou cética, louca e dona de mim. Seleciono NO QUE acreditar. Não desperdiço o meu tempo, não acredito nas pessoas, não digo palavras tolas, não faço nada em vão. Não me escondo por detrás de mentiras, não sou influenciável, enxergo mais do que a mim mesma. Sou forte e vulnerável. Não tenho medos tolos mas tenho medo de tudo. Não me interessa o que você pense, desde que não discorde da minha opinião... Sou inconstante e imutável. Sou sagaz e estúpida. Sou sóbria e demente. Sou tudo e nada, o que sou e o que nunca serei. Uma eterna incógnita. Sou FELIZ.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Cubo mágico



A vida é como um desses cubos mágicos... Gastamos horas, semanas, anos... Tentando dispô-la de forma perfeita, tarefa que nunca conseguimos completar. E acabamos morrendo com uma certa sensação de que não vivemos... De que não houve alegrias o bastante, de que as experiências não foram satisfatórias, de que as pessoas importantes não ocuparam o papel fundamental que deveriam... Sentimos que há muito o amor se tornou segundo plano, pois as prioridades foram pouco-a-pouco se invertendo. Mas a verdade é que estávamos ocupados demais, olhando para dentro de nós mesmos, egocentrados em nosso próprio cubo mágico, para enxergarmos qualquer coisa alem do perímetro de nossa então insuficiente existência.

Todos os que amávamos foram embora.

Cada segundo privilegiado que tivemos cessou.

Para que serve um cubo mágico sem suas cores?


quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Humanamente desumanos





Hoje eu decidi matar todos os meus sonhos, todos os meus anseios, todas as minhas recordações. Hoje eu decidi matar tudo de vocês que ainda existe em mim. Hoje eu decidi matar toda a minha alegria. Hoje eu decidi deixar um mundo triste em que nada é possível para quem não tem dinheiro ou poder. Um mundo para o qual eu nunca fui nada. Vocês também não são mais nada para mim. Não quero que reste neste universo imundo nem um vestígio de minha boa intenção, de meu frustrado anseio por fazer com que tudo parecesse diferente. Vocês são naturalmente maus. Corrompem e se deixam corromper. São naturalmente gananciosos. Podres. Sem amor. Não é mais viável negar o que já me parece tão claro. Eu os amei. É uma lastima apenas, que não saibam mais o que é o amor. Já não há mais tempo para continuarem a mentir para si mesmos. É tempo de vestir sua própria pele, e assumir o que sempre lhes foi inato. VOCÊS NUNCA FORAM BONS E NUNCA SOUBERAM AMAR.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Mais um dia



Tenho ânsia por sentir o vento tocar meu corpo,

Sentir meu corpo, tocar o chão.

Não quero morrer, não quero viver.

Não quero ir para casa, nem permanecer aqui.

Eu tenho um desejo profundo,

Uma vontade insaciável...

Pelo nada.

O vazio domina minha mente

As pessoas já não são mais como antes

Eu, não sou mais como antes.

No âmago de meus desejos implícitos

Ou de sua total inexistência...

No cerne de tudo o que não fui

E de tudo que nunca fui capaz de ser.

Vontade de fechar os olhos,

E nunca ter existido.

O sono e o cansaço

Dominam o meu corpo

Eu me deixo cair sobre o nada

Em minha mente, vans lembranças

De mais um dia que morre,

Exatamente como nasceu:

Com o mesmo ímpeto das coisas,

Cuja a existência já era desnecessária.